Padrões Repetitivos

Início  |  Desenvolvimento pessoal   |  Padrões Repetitivos

Padrões Repetitivos

O tema dos padrões repetitivos surgiu bastante na minha vida esta semana. Depois de muito pensar e de perceber como nos afeta a todos, achei que seria importante explorar esta temática… Acabei por decidir escrever sobre estes ciclos e padrões de vida que se repetem pois sinto que vivemos tempos de mudança, em que todos precisamos de quebrar com velhos hábitos para que novos ciclos possam começar a surgir…

Então logo para começar, a pergunta de um milhão será: Como quebrar um padrão de comportamento repetitivo?

Pois, esta questão tem muito que se lhe diga… Se soubéssemos fazê-lo não os teríamos… Na verdade não há uma resposta simples mas sim um todo processo que nos permite fazê-lo.

Se temos um determinado padrão que se repete nas nossas vidas com consequências que não nos agradam é porque ainda não sabemos sair dele. Tudo na vida tem uma utilidade, principalmente aquilo que nos dói ou perturba. Se o padrão comportamental se mantém e se repete é porque ainda não percebemos o que este tem para nos ensinar sobre nós, sobre algo que pode ser melhorado se o conseguirmos entender e transcender.

Acredito que o primeiro passo será RECONHECER esse padrão de comportamento que se repete ao longo das nossas vidas, vendo como se manifesta. Digo reconhecer e não conhecer porque é uma tarefa bem mais exigente do que o simples ato de entender concetualmente aquilo que acontece.

Reconhecer exige um verdadeiro ato de consciência e entrega, é necessário trazer à luz tudo aquilo que não vemos e não queremos ver… É preciso mergulhar nas nossas sombras, levando luz ao padrão que se repete para que esta nos revele tudo o que lá se esconde…

Reconhecer implica conhecer através da minha identidade, vejo o padrão em mim e vejo-me no padrão. O comportamento não existe sem mim, sem a minha história, fui eu que o criei como mecanismo de defesa para evitar sentir a minha dor.

Depois de reconhecer torna-se imperativo ACEITAR tudo aquilo que agora iluminamos e nunca quisemos ver… Todas as zonas penumbra onde escondemos as dores que no passado nos dilaceraram e cuja memória tanto desejamos esquecer… O medo surgiu aí, como forma de proteção perante algo que para nós se apresentava como ameaçador e insuportável…

Esse medo é como um carrasco que tem como missão guardar as nossas dores numa masmorra onde o nosso consciente não acede e, por isso não as vemos nem sentimos.

Mas na verdade é esse medo que nos aprisiona e nos move sempre em direção aos mesmos padrões de comportamento repetitivos. É esse mesmo medo que nos impele sempre para as mesmas situações, fazendo que a vida se torne um ciclo repetitivo de vivências e experiências que na maioria das vezes acabam também elas próprias por se revelar dolorosas…

E então, o que fazer para acabar com estes ciclos e padrões repetitivos?

Depois de iluminar as zonas sombrias do nosso eu é necessário trazê-las até à luz, libertá-las! Não as podemos deixar presas na masmorra pois assim continuaremos a ser dominados pelo carrasco do medo.

Nesta fase podemos ter alguma dificuldade pois será necessária muita coragem… Agora, com novos Conhecimentos e mais Consciência, temos que assumir que é necessário alterar o nosso Comportamento. Torna-se assim necessário muito autocontrolo para AGIR em função daquilo que queremos Ser no futuro – seres humanos livres de padrões repetitivos que nos fazem viver constantemente no passado. Algures neste processo temos que nos libertar dos medos e DECIDIR que está chegada a hora de abrir a porta às dores que escondemos nas profundezas do nosso ser.

Depois disto vem o processo mais intenso, pois quando libertamos todas essas emoções somos obrigados a SENTIR, temos que as sentir com toda a intensidade para que as possamos dominar e não mais sejamos dominados por elas…

A vida é um processo experiencial, vivemos experimentando e sentindo. Por isso, para superar algo temos que o viver, sentir, experienciar.

Se queremos ultrapassar um ciclo que se repete, temos que o viver por completo, sentir tudo o que a ele estiver associado para que depois o transcendamos e aprendamos a lição.

Não posso dizer que este é um processo fácil, te todo! É uma viagem emocional intensa muitas vezes de grande angústia e questionamentos… É também uma viagem de grande aprendizagem e libertação catártica… Na verdade, estas são as viagens necessárias da vida, ciclos de resgate onde nos (re)encontramos para que nos possamos superar, crescer, aprender… e viver cada vez de forma mais plena.

É neste processo que o medo se esvaí pois movidos pela coragem assumimos o controlo das nossas vidas. E neste libertar, onde o medo não tem lugar, encontramos mais espaço para Sermos Nós…

.

Etiquetas do artigo:
Anterior

Mudar...

SEGUINTE

E o pequeno se faz grande...

ESCRITO POR:

geral@palavrascomsaude.com

Acredito que cada pessoa que aprende a comunicar de forma saudável com ela própria trilha um caminho de autoconhecimento que a conduz à sua melhor versão.